Página Inicial / Multimídia/ Notícias/ CAPS Infantil vai emitir Carteira do Autista

ImprimirImprimir

Tamanho da fonte fonte fonte

05/12/2018 15h24 - Atualizado em 05/12/2018 15h25

CAPS Infantil vai emitir Carteira do Autista

Documento serve para identificar e quantificar os portadores da síndrome, além de garantir direitos como o uso gratuito de transporte público em Goiás

O CAPSi Crescer Anápolis soma às suas atividades regulares do dia 18 de dezembro, a emissão da Carteira de Identificação do Autista (CIA), instituída pelo Decreto 9107, de 18 de dezembro de 2017. O principal objetivo do documento é quantificar os portadores de Transtorno do espectro do Autismo (TEA) em Goiás, independente da idade, para efetivar as políticas públicas asseguradas por lei, mas que têm sua aplicação dificultada por se tratar de uma deficiência sem características físicas. O serviço estará disponível das 8h às 12h e das 13h às 17h.

Para acesso à CIA, é necessária a apresentação de laudo médico firmado por especialista em neurologia ou psiquiatria – de qualquer data –, que ateste o transtorno; do CPF e da certidão de nascimento (ou RG) do autista. Também é necessária a documentação pessoal de pais ou responsáveis, tudo com original e Xerox, além do comprovante de endereço. A Carteira de Identificação do Autista tem validade de cinco anos e, ao final desse prazo, deve ser revalidada preservando a mesma numeração.

A emissão em Anápolis será feita no CAPSi Crescer, por meio de parceria com a Associação de Pais e Autistas do Estado de Goiás (Afaag). “Trata-se de uma ação de grande importância, que, além de quantificar os portadores de autismo, ou Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) colabora para a inserção social”, explica Maria Helena Rosa de Oliveira Silva, coordenadora do CAPSi.

Entenda

O autismo é um problema psiquiátrico que costuma ser identificado na infância, entre 1 ano e meio e 3 anos. O distúrbio afeta a comunicação e capacidade de aprendizado e adaptação da criança. Os autistas apresentam desenvolvimento físico normal, mas têm grande dificuldade para firmar relações sociais ou afetivas e dão mostras de viver em um mundo isolado.

O problema já foi dividido em cinco categorias, entre elas a síndrome de Asperger. Hoje, tem uma única classificação, com diferentes graus de funcionalidade e sob o nome técnico de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O jeito de lidar com cada um varia. Na forma qualificada como de baixa funcionalidade, a criança praticamente não interage, vive repetindo movimentos e apresenta atraso mental. O quadro provavelmente vai exigir tratamento pela vida toda.

Na média funcionalidade, o paciente tem dificuldade de se comunicar e repete comportamentos. Já na alta funcionalidade, esses mesmos prejuízos são mais leves, e os portadores conseguem estudar, trabalhar e constituir uma família com menos empecilhos. Há ainda uma categoria denominada savant. Ela é marcada por déficits psicológicos, só que com uma memória fora do comum, além de talentos específicos.

O autismo não possui causas totalmente conhecidas, porém há evidências de que haja predisposição genética para ele. Outros reportam o suposto papel de infecções durante a gravidez e mesmo fatores ambientais, como poluição, no desenvolvimento do distúrbio. (fonte: /saude.abril.com.br)

Serviço

O quê: Emissão da Carteira de Identificação do Autista (CIA)

Local: CAPSi Crescer – Rua 7 de Setembro nº 743. Centro

Horário: Das 8h às 12h e das 13h às 17h