Página Inicial / Multimídia/ Notícias/ Incidência de crime cai 60% após Força Tática Municipal

ImprimirImprimir

Tamanho da fonte fonte fonte

14/02/2019 11h23 - Atualizado em 14/02/2019 11h38

Incidência de crime cai 60% após Força Tática Municipal

Em apenas três meses de operação, projeto já influenciou significativamente no combate à violência em Anápolis

Foto: Daniel Carvalho

Uma iniciativa inédita no Centro-Oeste e que já deu certo em Anápolis. Desde que a Força Tática Municipal foi criada – em novembro de 2018 –, houve uma redução de 60% em furtos e roubos no município, se comparado com 2016.  O incremento da segurança pública, idealizado pelo prefeito Roberto Naves, ainda garantiu aumento significativo de prisões (35%), apreensão de drogas (40%) e apreensão de armas (23%).

O balanço apresentado pelo Observatório Municipal de Segurança Pública nesta quarta-feira, 13, revelou ainda que foram feitas duas mil abordagens e 20 flagrantes nesses três primeiros meses de atuação. “Esses resultados comprovam que a iniciativa do prefeito foi extremamente acertada”, comentou o assessor especial de Segurança Pública do Município, Glayson Reis.

A Força Tática Municipal foi uma proposta de Naves que firmou uma parceria, entre a Prefeitura de Anápolis e a Polícia Militar (PM), a fim de reforçar a proteção da população com o aumento do número de policiais e viaturas. Para tanto, mais 30 agentes se dividiram em dez camionetes, a fim de realizar policiamento ostensivo e preventivo nos quatro cantos da cidade. “Não adianta agirmos separadamente, porque todos trabalhamos em prol da população. Agora temos esse reforço nos locais com as mais incidência de crimes. Aonde a polícia chega, o bandido vai embora”, afirmou o prefeito.

Na parceria, a PM disponibiliza o efetivo e a Prefeitura entra com os veículos, combustível, manutenção e paga o banco de horas dos policiais. Além disso, o Observatório Municipal de Segurança Pública está trabalhando de forma integrada, fornecendo as informações necessárias para a atuação eficiente dessa equipe. “Identificamos as chamadas ‘manchas criminais’ e contribuímos com o planejamento estratégico operacional da força tática”, explicou Glayson Reis.