Página Inicial / Multimídia/ Notícias/ Prefeitura implanta o sistema no segundo semestre

ImprimirImprimir

Tamanho da fonte fonte fonte

11/05/2018 16h14 - Atualizado em 11/05/2018 18h10

Prefeitura implanta o sistema no segundo semestre

Projeto discutido e aprovado em audiência pública na Câmara Municipal com presença de representantes da CDL e Acia

Garantir a rotatividade em três setores comerciais - Centro, Bairro Jundiaí e Vila Jaiara - de grande movimento de veículos e de pessoas, mas com oferta de vagas abaixo da demanda por espaços para o estacionamento de veículosé a finalidade do projeto Área Azul Digital. O sistema, que vai disponibilizar quatro mil vagas nestas regiões, foi o tema de audiência pública nesta quinta-feira, 10, na Câmara Municipal. Além dos vereadores, participaram representantes da Associação Comercial e Industrial de Anápolis (Acia), da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e da sociedade em geral.

O projeto para a implantação do sistema proposto pela Prefeitura via Companhia Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT) já está pronto e a audiência pública era pré-requisito para lançar o edital de licitação da empresa que terá a concessão do serviço. "Nosso projeto foi apresentado e muito bem recebido pela sociedade, vereadores e, principalmente, pelas entidades ligadas ao comércio", disse o diretor geral da CMTT, Carlos César de Toledo, ressaltando que instituições como Câmara, Acia e CDL são partes integrantes do projeto. "Nas próximas semanas iniciaremos o processo licitatório para implantarmos o sistema já no segundo semestre", acrescentou.

Tecnologia

O sistema de estacionamento rotativo digitalizado vai operar por meio de georreferenciamento e com sensores nas vagas conectados à CMTT e ao usuário por meio de um aplicativo que será uma das formas de aquisição do cartão magnético onde podem ser inseridos créditos de estacionamento até o valor de R$ 100,00, diferente das cartelas em papel vendidas hoje em alguns pontos comerciais. As outras maneiras de adquirir os tickets serão os monitores - que também farão a fiscalizaçãoin loco - e o próprio comércio, daí a importância da parceria com a Acia e CDL.

Carlos César de Toledo explicou que o sistema usa uma tecnologia moderna que ajuda a controlar o tempo máximo de permanência de cada veículo estacionado em seus espaços. "A fiscalização será feita com um equipamento próprio, que emite um sinal, via chip, para o proprietário do veículo e também para um agente de trânsito, informando que o tempo de permanência no estacionamento rotativo digital se expirou", disse. Depois de receber o sinal, o veículo tem que ser retirado em 15 minutos, no máximo. Passado esse tempo, o agente de trânsito pode multar o veículo que ultrapassou esse limite.

O diretor da CMTT acrescentou que o sistema de estacionamento rotativo digital vem sendo implantado em várias cidades com sucesso, devido a facilidade de ser fiscalizado e por promover uma real rotatividade em suas vagas. "Nossa intenção é proporcionar uma verdadeira rotatividade nas vagas para estacionamento de veículos”, esclareceu. Segundo ele, a Área Azul Digital, conforme levantamentos feitos em locais onde já existe, proporciona ainda um aumento nas vendas do comércio de rua e também nos estacionamentos mensalistas, devido à rotatividade das vagas.

Orientação

Outro ponto abordado pelo diretor da CMTT é sobre os deveres da empresa vencedora da concessão que estão no edital a ser divulgado posteriormente. Nele, prevê que a vencedora deve fazer, durante 90 dias, uma campanha educativa direcionada à população e que deve ser amplamente divulgada nos meios de comunicação.

Após esse período de caráter informativo, o descumprimento das normativas da Área Azul Digital serão considerados atos infracionais denominados "Taxas de Respeito". "O usuário será informado quando seu tempo terminar e ainda terá um bônus de 15 minutos para desocupar a vaga. Se não cumprir será autuado", informou Carlos César Toledo, justificando que o valor da infração será determinado conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). "O sistema não trará ônus para o município. Pelo contrário trará receita devido à porcentagem da arrecadação que será revertida em benefícios para a cidade", completou.

 

Prefeitura implanta o sistema no segundo semestre