Página Inicial / Multimídia/ Notícias/ Saúde lança campanha de orientação

ImprimirImprimir

Tamanho da fonte fonte fonte

01/02/2018 16h39 - Atualizado em 01/02/2018 17h07

Saúde lança campanha de orientação

Casos da doença crescem e foco se estende à testagem e ao tratamento, além do reforço nas campanhas para além do carnaval

Anápolis registrou 22 novos casos de Aids apenas no mês de janeiro desse ano. O número representa o dobro daquele confirmado no mesmo período de 2017. Para enfrentar essa nova escalada da doença na cidade, a Prefeitura prepara campanhas de prevenção que serão desenvolvidas e adaptadas a cada período de 2018, começando pelo carnaval. 
 
Seguindo a nova abordagem na política pública do Ministério da Saúde, o trabalho da Prefeitura de Anápolis irá além da prevenção. A testagem e o tratamento serão igualmente priorizados nas campanhas. “Temos hoje um crescimento grande do HIV entre os jovens, principalmente dos 15 aos 24 anos. Então, é muito importante esse apelo de prevenir, se submeter aos testes para ter o diagnóstico o quanto antes, e fazer o tratamento adequado”, explica Juliana Lopes, coordenadora do Programa IST/Aids. 
 
As ações de conscientização e orientação, que já acontecem de forma contínua, terão reforço no decorrer do ano. Além de cartazes fixados em todas as unidades de saúde do município, será feito um filme para a televisão abordando o carnaval e todas as festas que são realizadas em Anápolis. A ideia é massificar as informações sobre a doença, desde a necessidade da prática do sexo seguro e de outras formas de prevenção, até a realidade sobre o viver com Aids.
 
Programa
O programa IST/AIDS (antes chamado de DST/AIDS) funciona desde 1996 na unidade de saúde Dr. Ilion Fleury Jr. Ele é composto por dois setores: SAE (Serviço de Atendimento Especializado) e CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento). Oferece equipe multidisciplinar com médicos, enfermeiros, psicólogos, farmacêuticos, técnicos de laboratório e enfermagem. Na unidade, que tem atualmente mais de dois mil pacientes cadastrados, são realizados mais de cinco mil exames (HIV, sífilis, hepatite B e C) por mês.